A importância do botão de pânico no acesso ao condomínio

A importância do botão de pânico no acesso ao condomínio

O botão de pânico é mais uma solução integrada a outros sistemas de segurança eletrônica que visam a segurança do condomínio ou da empresa. Trata-se de um dispositivo, que ao ser acionado, envia um sinal de alerta para a portaria ou central de monitoramento. O ato de apertá-lo não gera nenhum tipo de som audível, permitindo um acionamento mais discreto e seguro, já que o meliante não consegue percebê-lo.

Tipos de botão do pânico

O botão de pânico pode ser personalizado de acordo com as necessidades de cada negócio. Por exemplo, é possível programá-lo para emergências policiais ou emergências médicas. Em geral, existem dois modelos básicos de botão de pânico:

fixo: o dispositivo é fixado, com ou sem fio, em um local específico do imóvel. Geralmente, é escolhido um ponto estratégico escondido, seguro e de fácil acesso. Por exemplo: portaria, mesa de trabalho, área de cofres, etc;

móvel: este modelo se assemelha a um chaveiro de alarme de carro. Junto a ele existe a receptora, um aparelho de comunicação que se conecta à central ou portaria. O botão móvel pode ser carregado dentro de uma área de 50 metros de onde foi instalada a receptora.

Na Homety, você ainda tem mais opções de botões de pânico, que além do controle remoto, também pode ser acionado pelo QR Code ou pelo tag de aproximação. Basta colocar a tag fornecida na lateral do painel. No app, existe um QR code específico que, ao aproximá-lo do painel, dispara o sinal de pânico para a central de monitoramento.

Como funciona o monitoramento do botão de pânico?

O botão de pânico deve ser acionado somente quando você tiver uma razão real para isso. E, preferencialmente, quando detectar a ameaça de longe, para que o tempo de ação seja efetivo, além de evitar que o criminoso possa visualizar sua ação e ter uma reação perigosa. Lembre-se: todo cuidado é pouco!

Diante de um acionamento de emergência, o botão de pânico manda uma mensagem de alerta para a central de monitoramento. Ao receber o sinal, os operadores acessam as câmeras de segurança e identificam a movimentação local. A partir disso, verificam se aquela situação de pânico é real ou um acionamento por engano.

Se for uma emergência, a central aciona os órgãos competentes imediatamente. Caso não seja identificado nenhum evento incomum, ela liga para o responsável e solicita a sua palavra-chave. Se a senha fornecida for correta, a ação é cancelada. Caso a senha esteja errada, é feito o acionamento remoto da polícia.

O botão de pânico é uma ferramenta muito importante em um sistema de segurança, sobretudo para a proteção. Isso porque ele possibilita que a pessoa agredida, ameaçada ou furtada chame por socorro sem se colocar em risco, já que o dispositivo pode passar imperceptível por não emitir som quando acionado.

Assim, residências, empresas e indústrias podem adotar rotinas mais normais, sem sentirem receio de que haja uma invasão ou agressão. Isso também pode ajudar a proteger pessoas mais sensíveis e em situação mais frágil, como crianças e idosos.

E aí, curtiu o post? Deixe um comentário contando o que achou! Caso queira solicitar uma proposta da Homety, portaria remota do Grupo Pro Security, basta clicar no botão abaixo!

Como organizar o uso das áreas comuns do condomínio

Como organizar o uso das áreas comuns do condomínio

Organização é a palavra-chave da administração de um condomínio. É uma atitude que deve partir do síndico, mas todos moradores devem colaborar.

O primeiro passo – e mais importante – para saber como organizar a utilização de áreas comuns, é ter como foco principal o respeito de todos os indivíduos.

Locais como academias, piscinas, quadras de esporte e salões de festas devem estar disponíveis para todos os moradores de maneira igualitária e sem distinção alguma. Por isso, é imprescindível estabelecer limites e determinar responsabilidade para os usuários.

Confira alguns pontos que vão te ajudar, e muito, na hora da organização das áreas comuns do condomínio:

Crie regras claras para o uso das áreas comuns

Alguns pontos não podem  faltar no regulamento interno da área comum do seu condomínio, como:

  • estabelecer horário de uso dos espaços;
  • determinar o tempo máximo de utilização do local;
  • tempo mínimo de antecedência para a reserva de locais, como o salão de festas;
  • normas para a devolução das áreas de festa, como limpeza por conta do morador ou pagamento de taxa para a realização do serviço, etc;
  • respeito às normas de distanciamento social e capacidade máxima de pessoas no local;
  • exigência da permanência do morador responsável pela reserva no local;
  • multas em casos de danos à estrutura ou desrespeito  de alguma regra de uso.

É importante lembrar que essas normas devem ser aprovadas em assembleia e seguir recomendações dos órgãos governamentais, em especial durante a pandemia.

Mantenha esses locais sempre em bom estado

Assim como o restante dos espaços do condomínio, manter as áreas comuns em bom estado é fundamental para evitar reclamações e, principalmente, acidentes. Portanto, a recomendação é que se mantenha uma periodicidade de manutenções preventivas nesses locais.

Além de deixar o ambiente mais seguro para uso, ter as áreas comuns do condomínio sempre bem cuidadas aumenta a satisfação dos condôminos em relação ao trabalho desempenhado pelo síndico e também valoriza os imóveis do local.

Cuidado extra com os espaços destinados às crianças

Espaços específicos para crianças brincarem em condomínios pode ser um atrativo para os pais ou responsáveis. Afinal de contas, quem não quer que o seu pequeno seja feliz onde mora?

Porém, a atenção com a manutenção e regras para esses locais deve ser maior, para manter a segurança dos pequenos.

Controle o uso dos locais comuns

O controle do uso das áreas comuns é importante para manter a organização do condomínio.

Uma vez após definida as regras, manter os locais em bom estado e orientar os responsáveis é fundamental. É preciso estabelecer um sistema no qual fique fácil para todos os moradores do local terem acesso.

Alguns condomínios ainda possuem um livro, semelhante a uma agenda, para o controle do uso dos espaços. Porém esse método demanda muito tempo tanto do síndico para a validação como também do condômino para realizar a reserva.

Para resolver esse problema, dentro do sistema Homety, você consegue fazer toda a gestão dessas áreas. Além de ser mais prático e eficiente, permite ao síndico ter controle total das solicitações e gerenciá-las de maneira rápida.

Por exemplo, os condôminos conseguem visualizar quais dias ou horários estão disponíveis para alugar o local de interesse e as respostas aos pedidos de reserva são enviadas imediatamente após a validação do síndico.

Reparos nas instalações nas áreas comuns

O uso inadequado das áreas comuns do condomínio pode causar danos às instalações. Um ponto que deve ser levado em consideração é que muitas vezes o síndico não sabe como identificar o responsável pelo problema, e a solução se torna responsabilidade do condomínio de maneira geral.

Em função disso, o regimento interno deve informar que o responsável por qualquer tipo de dano deve ser o morador que fez a reserva.

Respeito com os vizinhos

As regras sobre silêncio em condomínios precisam estar bem claras para os moradores. Antes de mais nada, é muito importante ressaltar que ela varia bastante de um local para o outro, e o ideal é que moradores tenham sempre bom senso nesse quesito.

Gostou dessas dicas? Temos muito mais dicas em outras matérias do nosso Blog. Confira!

Como engajar os moradores para a utilização da portaria remota

Como engajar os moradores para a utilização da portaria remota

A portaria remota está tomando cada vez mais espaço nos condomínios, uma vez que essa solução é a união entre segurança, tecnologia e redução de custos.

A portaria remota garante a qualidade no controle de acesso de pessoas e veículos. Com auxílio da tecnologia e inteligência artificial é possível economizar gastos com portaria convencional sem abrir mão da segurança, uma vez que o operador realiza o atendimento à distância e boa parte dos processos funcionam de maneira automatizada.

Porém, o condomínio que busca investir no uso da portaria remota precisa engajar os seus moradores quanto ao uso dessa solução.

No artigo de hoje, vamos explicar como essa conscientização pode acontecer de forma simples e clara. Confira:

Crie um conselho de segurança no condomínio

Primeiramente, busque criar um conselho com pessoas dedicadas à segurança dentro do condomínio composto por, pelo menos, quatro pessoas que se reunirão unicamente para discutir o assunto.

É importante lembrar que essa comissão precisa ser conhecida e aprovada pela assembleia, que atestam a autonomia do grupo para fazer escolhas, desburocratizando os processos.

Envolva os moradores

Com um conselho definido, o próximo passo é iniciar o engajamento dos moradores. Essa etapa de divulgação e treinamento precisa ser muito simples e clara, buscando sempre explicar as normas.

Todos os moradores devem compreender que o cumprimento das regras é fundamental para a segurança de todos. Acima das penalidades que existem para quem descumprir, é a proteção das famílias que está em jogo.

Saiba como selecionar funcionários

Além dos moradores, é importante que os funcionários também sejam orientados.

Assim como na portaria convencional, de nada adianta contratar a portaria remota com um serviço de qualidade, mas não investir em uma boa seleção de funcionários que vão trabalhar dentro do condomínio (zeladoria, jardinagem, etc). Por isso, opte sempre por contratar pessoas capazes de assimilar treinamentos, tomar decisões e seguir regras.

Invista em reciclagem

O trabalho não termina após todos receberem o treinamento. O ideal é que, semestralmente, seja promovida a reciclagem dos treinamentos, uma vez que existe rotatividade de moradores e atualizações nos procedimentos de segurança.

Está em busca de um serviço de portaria remota de qualidade e que tem como o principal objetivo promover a sua segurança e da sua família? Conheça a Homety e evolua seu condomínio.

LGPD e a gestão de dados dos condomínios

LGPD e a gestão de dados dos condomínios

No final de 2020 entrou em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados, mais conhecida como LGPD. E todas as empresas que trabalham com qualquer tipo de gestão de dados precisam se adequar rapidamente a essas determinações, para garantir a proteção de informações de todos os envolvidos.

No setor condominial, a LGPD influencia diretamente na gestão de dados e acessos dos condomínios, sejam eles residenciais ou empresariais.

Hoje vamos esclarecer alguns pontos sobre o assunto, para que moradores e síndicos possam entender melhor como funciona essa lei e sua importância.

Do que se trata a LGPD?

A LGPD é uma lei brasileira que tem como principal objetivo proteger dados pessoais e sensíveis dos usuários. Além de dar respaldo a direitos fundamentais de qualquer indivíduo. Como direito à privacidade, à liberdade e ao livre desenvolvimento de sua personalidade.

Ela foi desenvolvida para regulamentar o uso e o tratamento dados por outras pessoas físicas ou jurídicas, sejam elas de direito público ou privado. Sendo assim, o acesso a condomínios precisa se adequar às cláusulas dessa legislação, uma vez que um condomínio seguro coleta dados de moradores e visitantes logo na portaria.

Os dados só devem ser usados ou tratados mediante o consentimento do titular, que deve ser dado por meio de uma manifestação livre, que pode ser um documento por escrito, gravação, vídeo, entre outros. Mas sempre totalmente livre de coação.

Como a LGPD se aplica ao acesso a condomínios

A LGPD vale para a gestão de dados pessoais, como nome, CPF e RG, e de dados sensíveis, como origem étnica, convicções políticas, religiosas e filosóficas, dados biométricos e mais. Dentre esses exemplos, muitos entram em cadastros de condomínio. Portanto, é importante saber mais sobre os cuidados com eles.

Separamos algumas sugestões que podem ser colocadas em prática no condomínio.

Comitê de condomínio

É muito importante que todos os moradores entendam o que a lei determina como um todo. Sendo assim, um comitê de condomínio deve se encarregar de passar todas as informações e esclarecimentos pertinentes sobre o assunto.

Auditoria de dados

Outra questão muito importante é executar uma auditoria de dados para ver quais informações circulam dentro do condomínio. Ela deve ser feita por uma assessoria profissional, e acompanhada pelo síndico e responsáveis pelo comitê. É fundamental avaliar:

  • Quais dados o condomínio coleta, se biométricos, de imagem, ou por escrito;
  • Como eles são armazenados;
  • Quem tem acesso a eles;
  • Se há consentimento dos titulares.

Revisão Geral

Vale a pena fazer uma revisão completa dos dados coletados. Se houver algum sem autorização, ele deve ser eliminado imediatamente. Caso seja necessário, a coleta deve ser refeita com as devidas autorizações.

Vale lembrar que o condomínio em si não é exatamente obrigado a seguir a LGPD. Mas se ele contrata uma empresa administradora, ela sim deve cumprir com todas as determinações para acesso a condomínios e gestão de dados.

Tecnologias para condomínios que você precisa conhecer

Tecnologias para condomínios que você precisa conhecer

A tecnologia tem como principal objetivo facilitar a vida das pessoas em praticamente todos os setores, e em condomínios não seria diferente. A cada ano, novas tecnologias surgem para tornar a vida de moradores, funcionários e síndicos mais simples e práticas, além de ser uma aliada valiosa para controle de finanças, segurança, comodidade e a administração condominial em geral.

Nesse artigo, vamos apresentar 4 tecnologias para condomínios que estão revolucionando a gestão dos síndicos e a vida dos condôminos. Confira!

1. Acesso eletrônico

Os acessos eletrônicos são uma das tecnologias para condomínio mais implementadas no momento.

O sistema é um conjunto de inovações tecnológicas que além de realizar o acesso via sistema biométrico, reconhecimento facial, tag de aproximação, QR Code e leitura de placas (LPR), são capazes de monitorar as movimentações da portaria de forma 100% remota.

O acesso eletrônico oferece diversas vantagens para os condôminos. A primeira é a redução dos custos sem abrir mão da segurança, pois em geral a tecnologia requer apenas investimento de instalação e uma pequena mensalidade pelo serviço. A segunda é a maior agilidade no acesso ao condomínio, garantindo mais segurança aos condôminos, prestadores de serviço e visitantes.

Além disso, já existem tecnologias para identificação de acesso não autorizado via inteligência artificial, como o Contador de Clausura da Homety.

2. Atendimento remoto

Em alguns condomínios a única tecnologia que o condomínio precisa para controlar acessos é o seu interfone, mas até mesmo para isso já existe uma inovação. Os painéis de telepresença facilitam o atendimento com áudio e vídeo, aumentando a sensação de segurança.

Por meio do painel, os visitantes podem entrar em contato com a portaria rapidamente, seja ela presencial ou remota.

A grande novidade é para quem vai visitar o condomínio: os próprios moradores podem gerar QR codes através de aplicativos para agilizar a entrada dos visitantes e prestadores se serviço.

Além de toda comodidade de atender a chamada para o recebimento de uma encomenda e passar instruções de entrega em outro lugar, por exemplo, o painel ajuda na segurança dos moradores e funcionários do condomínio.

Mas vale lembrar, que qualquer ligação suspeita pode ser rapidamente identificada, permitindo acionar as autoridades ou a segurança local.

3. Gestão digital do condomínio

Quando falamos em tecnologias para condomínios, talvez esta seja a mais indispensável de todas: um software ou aplicativo para administradora de condomínios que atue na gestão integrada.

Hoje no mercado há produtos que se adaptam facilmente a qualquer tamanho de condomínio, tornando-se aliados valiosos para as administradoras.

Os síndicos ou condomínios com autogestão também se beneficiam bastante das funções desse tipo de sistema, pois conseguem agilizar importantes etapas de controle de contas e aumentar sua produtividade.

Esses sistemas permitem enviar cobranças e boletos de maneira automatizada, assim como consultar o histórico de pagamento dos residentes.

A integração com outros sistemas também facilita o trabalho, agilizando etapas e reunindo em um só lugar as funcionalidades necessárias.

Com essa gestão digital para condomínios, é possível tomar melhores decisões estratégicas e fazer o acompanhamento em tempo integral das rotinas administrativas.

4. Comunicação automatizada

Um grande problema em praticamente todos os condomínios é a falta ou ineficiência da comunicação, porém hoje, os gestores podem contar com sistemas e aplicativos especializados para gerir uma comunicação mais ágil e eficaz, garantindo a efetividade na entrega de comunicados e atendimentos.

Utilizar de meios de comunicação e painéis de avisos virtuais, através de aplicativos facilitam a comunicação entre administradores e condôminos, evitando ruídos e falhas na comunicação.

A tecnologia sempre vem para somar e ajudar os condomínios a serem cada vez mais conectados e seguros.

Dicas essenciais de segurança para sua empresa

Dicas essenciais de segurança para sua empresa

Segurança é um fator primordial, seja no âmbito residencial ou empresarial. Porém, quando nos referimos à segurança empresarial, envolvemos tanto a segurança predial (estrutural), quanto pessoal e de informações.

Confira no artigo de hoje, algumas providências que são essenciais para garantir a segurança da sua empresa.

Segurança Predial (Estrutural)

Visando sempre o conforto e um ambiente de trabalho mais seguro para os funcionários, alguns procedimentos de segurança são necessários.

1. Sistema de Segurança:

Existem várias empresas e sistemas diferentes para a segurança do patrimônio das empresas. Sistemas tecnológicos, como a Homety, disponibilizam controles de acesso via biometria a fim de restringir a entrada de estranhos aos diversos ambientes da empresa.

Câmeras dispostas em ambientes externos e internos com monitoramento 24 horas, ajudam a controlar a movimentação, tanto dentro, quanto fora da empresa.

Além da segurança contra terceiros, é importante pensar também em sistemas contra incêndios, através da disponibilização de extintores de incêndio e medidas preventivas na instalação dos diversos equipamentos e fiações elétricas.

O treinamento das equipes em relação a procedimentos de evacuação do prédio e medidas de segurança no caso de incêndios também devem ser práticas constantes. Saídas de emergência devem estar sempre desobstruídas e bem sinalizadas.

2. Portaria/Recepção:

Orientação e treinamentos recorrentes para os funcionários que trabalham junto à portaria ou recepção são primordiais. A vigilância na entrada e saída de pessoas no ambiente empresarial depende da qualidade do serviço prestado por esses profissionais.

Desde a liberação de acesso até o recebimento de encomendas, deve passar por procedimentos e regras de segurança rígida, como a correta identificação das pessoas.

O Grupo Pro Security está há mais de 34 anos no mercado de segurança, oferecendo sempre o que existe de mais moderno no ramo.

3. Emergências:

Como mencionado acima, equipamentos de segurança contra incêndio devem estar dispostos nos prédios e dentro da data de validade. Além desses, equipamentos de primeiros socorros também devem estar disponíveis e de fácil alcance.

4. Dinheiro fora da empresa:

Guardar dinheiro na empresa pode ser um grande perigo, pois se torna chamariz para assaltos. Afinal, até mesmo dentro do ambiente de trabalho, as pessoas podem manter uma conduta inadequada.

Se possível, mantenha apenas uma quantia razoável em caixa para pagamento de eventuais necessidades diárias, mas o montante maior deve estar armazenado em um banco.

5. Fechar a porta:

Alguém deve ser responsável por trancar a empresa ao término do expediente.

Essa pessoa deve ser de total confiança e dar toda a atenção ao controle e procedimentos necessários. Lembrar sempre da ativação dos alarmes e sistemas de segurança para que a empresa não fique descoberta nos momentos em que não há funcionários.

Segurança Empresarial

A vulnerabilidade da segurança não acontece apenas no âmbito predial, é necessário garantir a segurança das informações, sistemas e procedimentos dentro da empresa.

6. Informações protegidas:

Cada dia que passa, a ação dos hackers fica mais poderosa e assídua. Por isso, é muito importante proteger os sistemas de informação com senhas seguras, difíceis e criptografias, a fim de dificultar a ação dos invasores e o roubo de informações que possam comprometer a empresa.

Para os acessos necessários fora do ambiente da empresa, a instalação de VPN ajuda a inibir a invasão dos sistemas, uma vez que a comunicação é totalmente criptografada.

7. Condutas:

Condutas inadequadas por parte de funcionários, lideranças, fornecedores e clientes também podem ser causas de vulnerabilidade na segurança da empresa.

Por este motivo, alguns empresários estão implantando sistemas de denúncia dentro das empresas para que essas falhas possam ser identificadas e corrigidas.

É muito importante lembrar que um ambiente seguro e protegido colabora para o bem-estar dos funcionários e gera maior produtividade da empresa como um todo.

Portaria remota e os moradores idosos

Portaria remota e os moradores idosos

Engana-se quem acredita que os idosos não estão ligados em tecnologia. Foi-se o tempo em que conviver com aparelhos eletrônicos era um problema para os vovôs e as vovós.

Os idosos se adaptaram a essa nova era tecnológica e já utilizam computadores, smartphones, fazem pedidos por aplicativos e conversam com facilidade por mensagens. A tecnologia hoje faz parte do dia a dia da terceira idade e isso também deixou de ser um empecilho nos condomínios.

Uma das discussões recorrentes na gestão de condomínio é essa mudança de comportamento dos indivíduos da terceira idade, sendo necessário oferecer suporte em todos os aspectos relacionados aos empreendimentos para que os idosos se sintam acolhidos, inseridos e valorizados nos espaços que escolheram para viver.

Benefícios da portaria remota para a terceira idade

A Portaria Remota é um sistema moderno e simples de ser operado, e por esse motivo os moradores mais idosos não costumam ter problemas para operar as funções necessárias.

Esse sistema visa proteger os moradores através de uma central de monitoramento especializada que vai informar ao morador de forma clara e objetiva sobre avisos, visitas, entregas e etc.

Estamos passando por um período de pandemia e um sistema de portaria remota, ajuda a proteger tanto os moradores quanto os próprios porteiros de uma infecção, principalmente os idosos e pessoas que fazem parte do grupo de risco do novo Coronavírus, uma vez que o porteiro presencial acaba tendo contato com moradores, entregadores, prestadores de serviços e visitantes, algo que não ocorre no caso da portaria remota.

Auxílio para a terceira idade

Para facilitar o entendimento e a aprendizagem não só dos idosos, mas de todos os condôminos, desde 2020, a Homety vem fazendo tutoriais práticos em vídeo, mostrando todas as operações do sistema, do aplicativo e também detalhando as opções de acesso.

Além disso, a Homety desenvolveu um modelo de acesso no touch, utilizando a tecnologia de reconhecimento facial para pedestres e leitura de placa para veículos. Em tempos de COVID-19, esses modelos de acesso são ideais, principalmente para os idosos, que pertencem ao grupo de risco. Inclusive, o acesso via reconhecimento facial tem se mostrado mais eficaz do que o biométrico com impressão digital, pois alguns idosos relatavam que suas impressões digitais estavam começando a ficar falhadas.

Mesmo a terceira idade se mostrando cada vez mais adequada às novas tecnologias, é muito importante que durante a implementação do sistema de portaria remota, essa parcela dos condomínios seja tratada com atenção, paciência e carinho.

Uma alternativa, seria destinar um funcionário específico para tratar apenas com os condôminos idosos, explicando passo a passo como funciona o sistema e como operar, isso é muito importante e primordial para que a adaptação seja um sucesso.

Essas pessoas já passaram por tantas coisas durante a vida, e a valorização da participação do idoso pelos síndicos e os convites frequentes para a participação em assembleias podem beneficiar a todos os envolvidos.

Homety é o sistema de portaria remota e presencial do Grupo Pro Security que preza pelo bem-estar e a segurança dos condôminos, com fácil acesso e suporte 24 horas por dia. Quer saber mais? Acesse agora www.homety.com.br!

Diferenças entre portaria remota, virtual e autônoma

Diferenças entre portaria remota, virtual e autônoma

Com o passar dos anos, novas tecnologias têm surgido para facilitar ainda mais a vida das pessoas, reduzindo custos, agilizando processos, promovendo mais segurança, entre outros benefícios. Inclusive, parte dessas soluções já chegaram nos condomínios.

Modernizar a segurança condominial é algo mais do que necessário, principalmente com o aumento no número de furtos e assaltos a condomínios. Muitos desses casos poderiam ser evitados com um sistema tecnológico de segurança totalmente eficiente.

Uma das novidades nos condomínios, e que está gerando bastante dúvidas entre os moradores, são as portarias remotas, virtuais e digitais.

Além de modernizar a rotina do condomínio, essas soluções ajudam a agilizar e a controlar melhor o fluxo de entrada e saída dos condomínios, principalmente nos horários de pico.

Portaria remota

A portaria remota, como o próprio nome sugere, funciona praticamente como uma portaria convencional, porém, à distância. Ela gerencia toda segurança e acessos do condomínio 24 horas por dia, todos os dias da semana, agindo quando necessário e em tempo real.

Um diferencial dessa modalidade de portaria é que ela faz um registro detalhado de todas as entradas e saídas. Assim, seu condomínio ficará resguardado com informações valiosas para entrar com qualquer medida judicial ou acionar a polícia.

Essa é a opção tecnológica mais completa disponível hoje para atender as portarias dos condomínios, pois é composta por sistemas, painéis, câmeras, chaves de acesso personalizadas e dispositivos emergenciais que farão o trabalho em caso de queda de energia ou instabilidade da rede de internet.

Portaria virtual

Podemos definir a portaria virtual como uma versão mais simplificada da portaria remota, porém, ainda assim automatizada.

No caso da portaria virtual, quando um visitante chega ao condomínio, ele interfonará diretamente na unidade. É possível contratar serviços extras para, nos casos em que o morador não esteja em casa, o chamado seja direcionado à uma central de atendimento.

Um dos problemas constatados por quem já utilizou esse tipo de portaria está relacionado aos custos extras e à vulnerabilidade do sistema quando o serviço de internet falha ou quando há queda de energia.

Portaria autônoma

Diferente das portarias citadas acima, onde a administração pode ser feita por meio de uma central que faz o gerenciamento das entradas e saídas, a portaria autônoma é um mecanismo onde visitantes e fornecedores teclam exclusivamente para o apartamento que deseja contato e a entrada só será permitida caso o morador esteja no local para atendê-los.

Nessa modalidade, os próprios condôminos são os responsáveis por gerenciar a entrada de pessoas que entram ou saem do condomínio.

A portaria autônoma é a menos recomendada para condomínios de médio porte, pois quanto maior o fluxo de pessoas circulando, mais a segurança estará em jogo.

Agora você já sabe quais são as principais diferenças entre os sistemas de portaria à distância disponíveis no mercado.

Conheça mais sobre os serviços da Homety e da Pro Security e esteja preparado para oferecer o melhor em segurança ao seu condomínio!

Quais processos devem ser aplicados em controle de acesso

Quais processos devem ser aplicados em controle de acesso

Controle de acesso é um item cada vez mais importante para a segurança de prédios, sejam empresas ou condomínios. É com ele que monitoramos a entrada e saída de pessoas e sua segurança. Para que este controle seja feito com o mínimo de falhas, existem hoje uma série de tecnologias e processos que dão suporte a ele, oferecendo três níveis de informação:

  • Se a pessoa está presente – detectando a presença em ambientes externos e internos;
  • Quem está presente – identificando e verificando automaticamente os níveis de acesso;
  • Onde a pessoa está presente – localizando indivíduos em tempo real.

Com isso, o controle de acesso, além de assegurar a entrada fácil e simplificada de pessoas autorizadas, bloqueia os não autorizados e gerencia os níveis de acesso a diferentes ambientes. E isso pode ser feito de forma física, por um profissional especializado; por equipamentos eletrônicos, que autorizam o acesso por meio de cadastro; ou combinando os dois.

Pessoas e equipamentos podem ser utilizados em dois tipos de controle de acesso. O primeiro é o físico, geralmente utilizado para gerenciar o fluxo de pessoas. Aqui é o normal a presença de um profissional para fazer o controle e a existência de uma barreira física com um ou mais pontos de entrada. O segundo tipo é o controle de acesso lógico, que usa meios eletrônicos para liberar o acesso. Vamos conhecer alguns deles:

Identificação por senha

autoriza a entrada de pessoas no ambiente mediante digitação de senha de acesso. Esta tecnologia é de fácil operação e permite gerir a entrada e saída de pessoas facilmente.

Código de Barras

é uma forma de controle de baixo custo, pois não requer nenhum grande recurso tecnológico para a leitura. Geralmente utilizada em ambientes que precisam monitorar o acesso, mas não necessitam de alto nível de segurança.

RFID

apresenta baixo índice de falsificação e falha. A leitura é feita por radiofrequência, o que dificulta o desgaste e atrito. Pode ser utilizado em crachás ou como etiquetas descartáveis, no caso de acesso temporário (visitantes etc.).

Cartão de Proximidade Mifare

é um cartão que opera na frequência 13,56 MHz e funciona com um chip de pequena capacidade de memória em seu interior, e uma antena interna. Tem várias aplicações, ótimo desempenho de leitura e é resistente. Permite a personalização de ambos os lados do cartão.

Biometria digital 3D

é utilizada com frequência para acessos a ambientes de nível médio a alto de segurança. As taxas de falha na identificação do usuário são baixas e reduzem significativamente a fraude. Diferente da biometria comum, a 3D impede o uso de dedos de silicone e acaba com a fraude no registro.

Leitura biométrica da mão

lê as características geométricas da palma da mão, como comprimento, largura, posição das articulações, entre outros. Geralmente utilizada em aplicações de alto nível, evita as fraudes na identificação de pessoas.

Reconhecimento facial

permite a identificação do indivíduo próximo ao equipamento ou até mesmo à distância, no caso do uso de câmeras de vigilância. As informações são cruzadas com as fotos do banco de imagens escolhido ou criado.

Leitura da Íris

reconhece diferentes padrões apresentados pela íris para identificar as pessoas. Oferece maior segurança e confiabilidade e baixo registro de falhas de leitura. Geralmente é utilizada em locais de acesso restrito e que requerem altíssimo grau de segurança. É especialmente usada em áreas de organizações financeiras e do governo, por exemplo.

Agora, independente da tecnologia escolhida, o perfeito funcionamento do controle de acesso vai depender da implementação de alguns processos de segurança. Conheça aqui os principais:

Controle de entrada e saída de materiais

pode ser feito com documentos que detalham especificamente qual é o tipo de material que está entrando e/ou saindo da empresa, além da sua quantidade. Também indica quem autorizou cada procedimento a partir da assinatura do colaborador responsável. Outro processo é inspecionar o conteúdo e saber se o que está na carga bate com as informações descritas no registro.

Câmeras de monitoramento e vigilância

é fundamental para inibir práticas perigosas e identificar indivíduos ou atitudes suspeitas. Além de registrar, em período integral, tudo o que acontece nos ambientes presentes. Há também modelos que gravam o rosto das pessoas para reconhecimento futuro. É uma medida preventiva e histórica.

Controle da entrada e saída de visitantes e prestadores

é utilizado nas recepções das empresas, com o objetivo de identificar e controlar a entrada e saída dos indivíduos, junto a recursos tecnológicos como portas automatizadas, catracas e equipamentos de segurança.

A Homety conta com sistemas necessários para fazer um controle de acesso eficiente de sua empresa ou condomínio. Quer saber mais? Vamos conversar!

Tendências no mercado de segurança eletrônica

Tendências no mercado de segurança eletrônica

Segurança eletrônica é uma das áreas que vem evoluindo mais rapidamente, trazendo uma série de soluções que nos ajudam a aprimorar cada vez mais nossos serviços. Hoje vamos apresentar aqui algumas tendências que vão movimentar o mercado em 2021, acompanhe:

Fechaduras digitais

Já podem ser encontradas em alguns condomínios fechados, onde os moradores não precisam mais de chaves para entrar em casa. Algumas delas funcionam com sensores biométricos e outras com senhas, mas o mais interessante é que algumas permitem ser destrancadas pelo celular. Além de ampliar a segurança contra arrombamentos, elas também são bastante práticas.

Cerca virtual

É basicamente um aplicativo que funciona através do GPS, onde os pais selecionam uma área e, caso o aparelho saia desta zona, eles são alertados. Além do alerta, o aplicativo mostra também a localização exata do usuário.

Tecnologia IP

O IP é um registro do aparelho em uma rede local ou na internet. O uso da rede permite que você tenha câmeras com qualidade superior às analógicas e, melhor, criar sistemas com mais equipamentos por um custo menor: uma câmera analógica pode ser substituída por até quatro câmeras por IP.

Sistema inteligente de reconhecimento de placas

Foi desenvolvido para diminuir o índice de erro na localização de veículos através das câmeras de segurança CFTV. É utilizado pelos órgãos de fiscalização pública, como o DETRAN, e também vem sendo muito procurado por condomínios e empresas com grande fluxo de veículos. O sistema identifica a placa e registra no sistema junto com uma foto do veículo. Algumas empresas de segurança eletrônica possuem um banco de dados integrado com o da polícia militar, emitindo um alerta ao identificar um veículo irregular.

Portaria remota

é um painel com uma câmera que coloca o visitante em contato diretamente com uma central de atendimento que, com ajuda da tecnologia, substitui um atendente presencial e potencializa o monitoramento.

As tendências são para 2021, mas a Homety já trabalha com soluções de segurança que combinam todas elas. Atualização e eficiência para manter nossos clientes mais seguros!